CLIQUE AQUI

FICAR SEM COMER DEIXA O METABOLISMO LENTO?? SERÁ???



Os níveis de adrenalina são aumentados, de modo que temos muita energia para obter mais alimento. Por exemplo, 48 horas de jejum produzem um aumento de 3,6% na taxa metabólica, e não o temido "metabolismo lento" . Em resposta a um jejum de 4 dias, a despesa de energia em repouso aumentou até 14% em um estudo . Ao invés de retardar o metabolismo, acontece o oposto. Presumivelmente, isso é feito para que tenhamos energia para sair e encontrar mais comida.

O jejum, mas não as dietas de baixa caloria resulta em adaptações hormonais numerosas que parecem ser altamente benéficas em muitos níveis. Em essência, o jejum realiza a transição do corpo de queima de açúcar para a queima de gordura. O METABOLISMO EM REPOUSO NÃO É DIMINUÍDO, mas sim aumentado. Estamos, efetivamente, alimentando nossos corpos através de nossa própria gordura. 
Estamos "comendo" nossa própria gordura. 
Gordura corporal , em essência, é alimento armazenado. De fato, estudos mostram que a epinefrina (adrenalina) induzida a queima de gordura não depende de baixar o açúcar no sangue. A gordura é o alimento armazenado, como o dinheiro no banco. Os alimentos são armazenados como glicogênio, como o dinheiro na carteira. 
O problema que temos, é como acessar o dinheiro no banco. À medida que nossa carteira se esgota, ficamos nervosos e saímos para preenchê-lo novamente. Isso nos impede de ter acesso ao dinheiro no banco.

A gordura é armazenada no "banco". À medida que nossa "carteira" de glicogênio se esgota, ficamos com fome e queremos comer. Isso nos deixa famintos, apesar do fato de que há mais "alimento" do que suficiente armazenado como gordura no "banco". Como podemos chegar a essa gordura para queimá-lo? O jejum oferece uma maneira fácil de fazer isso 


Traduzido e adaptado por Flávia Trajano


Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS




Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.